Cuidados Hospitalares

O programa do simpósio Metformina 3 Gerações incluiu um debate provocador, sobre quando referenciar o doente diabético para cuidados hospitalares. A comunicação e a articulação de cuidados são uma preocupação actual e permanente e muitos desses aspectos têm vindo a ser trabalhados nas unidades coordenadoras funcionais e nsa unidades integradas de diabetes.

Neste debate, cada um dos participantes “defendeu a sua dama”, mesmo que a sua posição pessoal não fosse inteiramente coincidente com o cenário partilhado. Porque, “por vezes, os cenários têm que ser extremados para se compreender o que está efectivamente em causa”, justificou Davide Carvalho que, juntamente com o vice-presidente da ARS do Norte, Rui Cernadas, moderou esta discussão.

Sabendo que 21,8% dos portugueses com diabetes seguidos no SNS têm HbA1c > 8% – sendo 22,4% acompanhados nas unidades de cuidados de saúde personalizados (UCSP) e 21,3% nas unidades de saúde familiar (USF) – e, por outro lado, admitindo que alguns destes terão por HbA1c-alvo 7%, o que podemos fazer para melhorar este número e evitar o aparecimento de complicações da diabetes? A endocrinologista do CHSJ e professora da FMUP, Paula Freitas, sustentou que a referenciação para cuidados hospitalares pode ser a resposta nos casos de HbA1c > 8%, conforme recomendado na norma de orientação clínica (NOC) para o tratamento da DM2.

Por sua vez, o presidente do Conselho Clínico do ACES Porto Oriental, Júlio Rêgo, defendeu a referenciação hospitalar do diabético em caso de presença de complicações, apresentando alguns dados que mostram que “40% das pessoas com diabetes vêm a desenvolver complicações tardias”, sendo que estas “desenvolvem-se de forma silenciosa”. No que concerne ao pé diabético, uma das complicações mais frequentes (25% dos doentes apresentam risco), o responsável advogou – com base nas NOC – que “todos os diabéticos devem fazer uma avaliação anual dos pés com o seu médico/enfermeiro)”. Perante um pé de risco médio (presença de neuropatia), a vigilância deve ser mais apertada (de seis em seis meses) e deve ponderar-se a referenciação para consulta específica. No entender de Júlio Rêgo, esta referenciação é mandatória em pés de alto risco (presença de isquemia ou neuropatia com deformidades do pé, história de úlcera cicatrizada ou amputação prévia).

Poderá a baixa taxa de insulinização registada em Portugal ser motivo para envio do diabético para o hospital, no momento da introdução da insulina no esquema terapêutico? Neste debate, o endocrinologista do Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar do Porto (CHP), Jorge Dores, sustentou que o doente deve ser enviado para o hospital quando vai iniciar a insulinoterapia – sobretudo devido à enorme insulino-resistência por parte do doente e ao risco acrescido de hipoglicémia –, mas também aquando da intensificação desta terapêutica.

Ao médico de família da USF Ermesinde, Luís Sousa, coube defender o “nunca” como resposta à questão que deu título à discussão, justificando esta posição com a “completa e adequada vigilância de que são alvo os diabéticos nos CSP”. De acordo com este especialista, há várias alternativas à referenciação – mesmo em diabéticos com complicações, HbA1c com níveis indesejados ou que vão iniciar insulina –, nas quais, em última análise, se contempla a articulação dos CSP com os cuidados hospitalares por via da formação, consultadoria ou contacto directo.

Publicado em 7 de Maio de 2015, por Jornal Médico

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close