• Rua Cimo de Vila, nº. 2 - Edifício Solar dos Peixotos - 3500-105 Viseu

Medicação

O principal objectivo do tratamento da pessoa com diabetes é conseguir um óptimo controlo metabólico, para que possa ter uma vida com qualidade, evitando ou atrasando as complicações crónicas da diabetes.

No início, a diabetes tipo 2 até pode ser controlada com alimentação saudável e equilibrada e exercício físico, mas depois de algum tempo há necessidade de utilizar medicamentos.

No caso de a pessoa ter diabetes tipo 1, é necessário começar a administrar insulina assim que for feito o diagnóstico, porque é insulina é uma hormona que faz naturalmente parte do nosso organismo, e sem a qual não podemos viver.  A insulina tem a função de fazer com que o açúcar existente no sangue, seja aproveitado, para nos dar energia.

Com o decorrer dos anos de diabetes tipo 2, o organismo da pessoa vai perdendo a capacidade de produzir insulina, e os medicamentos começam a ser menos eficazes. A evolução natural da diabetes tipo 2 é um dia a pessoa recorrer à insulinoterapia, para continuar a aproveitar bem o açúcar proveniente dos alimentos com hidratos de carbono, mantendo a sua energia, um bom controlo das glicemias e a qualidade de vida.

Esta terapia também é utilizada a nível transitório - por exemplo durante a gravidez e nas cirurgias.

Diabetes tipo 1

Insulinoterapia

Os diabéticos tipo 1 fazem sempre tratamento com insulina – insulinoterapia. 

A insulinoterapia consiste na administração de insulina por via subcutânea (por baixo da pele). Não existem comprimidos de insulina pois não é possível absorvê-la uma vez que os ácidos do estômago a destroem.

A administração de insulina deve ser feita a par de uma vigilância correta da glicemia e de uma alimentação saudável e prática de exercício regular.

As administrações de insulina nos Diabéticos Tipo 1 são sempre adaptadas a cada caso. Deverá ser realizada administração de insulina de ação prolongada (1 ou 2 vezes por dia em função da insulina e das características individuais de cada pessoa) e administração de insulinas de ação rápida/ultra-rápida, pelo menos 4 vezes por dia. Para a administração de insulina de ação rápida/ultra-rápida antes das refeições, recomenda-se a contagem de hidratos de carbono. 

A técnica de administração de insulina

 A técnica de administração de insulina é extremamente importante para que esta cumpra o seu efeito. Nos últimos anos as recomendações para a administração de insulina mudaram bastante. Esta aprendizagem deve ser feita junto do profissional de saúde já que a técnica de administração varia de pessoa para pessoa tendo em conta especificidades como por exemplo a espessura do tecido adiposo (camada de gordura por baixo da pele). Todas as pessoas têm tecido adiposo, mesmo as mais magras.  

A insulina tem que ser administrada por baixo da pele, no tecido adiposo e não no músculo, por isso o tamanho da agulha é muito importante. 

É importante que varie o local onde é administrada a insulina, utilizar sempre o mesmo local leva à criação de nódulos na pele (lipodistrofias) que prejudicam a absorção, além disso massacra a pele e pode causar feridas.

Para administrar a insulina deve fazer uma prega na pele com o dedo polegar e com o indicador e injetar com a agulha perpendicular à pele. A agulha não deve ser retirada imediatamente, espere 10 a 15 segundos. 

Quais são os riscos de não administrar corretamente a insulina?

Se a prega de pele apanhar o músculo existe o perigo de acelerar a absorção da insulina podendo provocar hipoglicemia. Outra das situações é a insulina ser administrada dentro da pele (intradérmica), esta situação pode causar dor e/ou reações alérgicas. 

 

Diabetes tipo 2

As pessoas com Diabetes tipo 2 controlam a glicemia com antidiabéticos orais (ADO) e/ou insulina.

Existem vários grupos de medicamentos cada um com funções diferentes mas todas com o mesmo objetivo - controlar a glicemia.

- As Biguanidas - São um grupo de medicamentos nos quais se inclui a metformina, que tem como ação principal aumentar a sensibilidade do organismo à insulina, reduzindo assim a resistência à insulina, nomeadamente no fígado e músculos. A resistência á insulina faz com que seja necessária maior quantidade de insulina para a mesma quantidade de glicose. A metformina tem como vantagem contribuir para a perda de peso e permitir a redução de gordura no sangue. Embora seja bem tolerado pela maioria das pessoas ele pode ocasionalmente provocar perda de apetite, náuseas, desconforto abdominal e diarreia. 

 

- As Sulfonilureias - Este grupo de medicamentos permite estimular a libertação de insulina pelas células pancreáticas, no entanto para este medicamento ser utilizado é obrigatório que as células produtoras de insulina cumpram corretamente a sua função. Como principais desvantagens existe o facto deste grupo de medicamentos aumentar o risco de aumento de peso e de hipoglicemias. 

 

- Metiglinidas - Este grupo de medicamentos, representado pela nateglinida, permite estimular a libertação de insulina pelas células do pâncreas em resposta a uma refeição, É habitualmente administrado antes das refeiões. 

 

- Os inibidores das alfa-glicosidases - Este grupo de medicamentos, o qual inclui a acarbose, atua essencialmente ao nível do sistema digestivo, eles inibem a ação das enzimas que degradam os hidratos de carbono e os transformam em glicose. Assim a absorção de glicose torna-se menor. Embora seja bem tolerado pela maioria das pessoas ele pode, ocasionalmente, provocar desconforto abdominal e flatulência,

 

- As Glitazonas (Tiazolidinedionas) - Este grupo de fármacos torna o organismo mais sensível à insulina, tal como a metformina, também diminui a resistência à insulina mas através de um mecanismo diferente. 

 

- Os inibidores da DPP-4 - Este grupo de medicamentos estimulam a libertação de insulina quando os níveis de glicemia sobem. Têm também como vantagem não provocarem aumento de peso nem hipoglicemias. 

 

- Associações de medicamentos - estão disponíveis várias associações entre dois grupos de fármacos. 

 

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Também pode ser prescrita Insulina nos Diabéticos Tipo 2.

Esta prescrição é necessária quanto a terapêutica com antidiabéticos orais e alteração de hábitos de vida não está a ser suficiente para controlar a Diabetes.

A dose de insulina que vai administrar é personalizada ao seu caso e deve ser prescrita pelo seu médico. 

 

 

Tipos de insulina

A insulina é medida po unidades, a concentração de insulina existente em portugal é a de 1 ml/cc=100 unidades (U-100). Comercialmente apresentam-se em frascos de 3 ml para utilização en canetas reutilizáveis ou em canetas pré-cheias. Podem também utilizar-se seringas que estão preparadas para esta concentração. 

As canetas pré-cheias são canetas que trazem colocadas a carga de insulina e que são descartáveis, isto é, são deitadas fora no fim da utilização. As reutilizáveis são canetas recarregáveis em que é necessário colocar os frascos de insulina. As canetas são vantajosas, pois, além de ermitirem a marcação da dose com exatidão, é apenas necessário o uso de agulhas, que são descartáveis; podem ser facilmente transportadas no bolso, o que facilita a realização da injeção. 

Conservação da insulina

As insulinas apresentam boa estabilidade, e têm a asua ação biológica preservada, por aproximadamente 2 anos, desde que devidamente armazenadas, a uma temperatura entre 2 e 8ºC. 

Após a abertura da ampola, a insulina deve ser utilizada no espaço de 1 mês.

No frigorífico e ainda por abrir, chega ao limite da validade.

Os fatores mais importantes a serem evitados no que respeita a insulina são as temperatras extremas e a luz do sol. 

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close